segunda-feira, 30 de abril de 2012

Aconteceu...ficam as memórias depois das portas se fecharem

..
Caro Amigo,
.
Ontem, por volta das 19h, fui ao Colombo buscar o jornal, digo buscar porque para quem compra o Público de 6ª feira e sábado, o de domingo é oferta.
.
Entrei pela porta da Fnac, a mais perto de minha casa. Mas antes, como deves estar recordado, há a Bata, sapataria de cadeia internacional, com produtos bastante em conta. No sábado tinha feito o mesmo percurso e nessa loja estavam cartazes a anunciar 30% de desconto para sapatos de homem. Ontem, domingo, os cartazes tinham mudado alastrando o desconto a todos os artigos. Em ambos os dias, talvez algum mosquito invisível fizesse companhia aos empregados.
.
É este o nosso panorama, e cada loja que faz estes descontos no início da época é uma loja que não está a conseguir vender. Corre o perigo de encerramento. E são muitas nestas condições. Todos podemos, já hoje, citar várias.
.
Mas o encerramento de certas lojas dói. Pelo valor simbólico e não economicista.
Citaste o caso da livraria Portugal, onde durante tantos anos foste assim como eu. Tinha funcionários que tudo sabiam sobre os livros. Querias saber sobre um livro, um assunto, um autor, e ainda fora da era dos computadores eles lá te informavam e te levavam ao lugar certo. Mas as pessoas deixaram de lá ir comprar e fechou. Doeu.
.
Quanto à Barateira, que parece que também vai fechar,  poucas vezes lá entrei.  Suponho que era por amor que se mantinha aberta. Mas também o amor deixa de ser possível de suportar. Ouvi dizer que para construir uma garagem. Ali? Deve valer muito esse espaço e os clientes serão poucos.
.
Indissociável da livraria/alfarrabista Barateira, sabes, aquele homem muito magro, sério e com ar ausente, de grandes barbas que sempre nos habituámos a ver sentado na Cervejaria Trindade, na mesma mesa e frente a uma floresta de copos de cerveja grandes, "girafas", já  vazios. Faleceu há uns anos. Sempre achei que era ele o verdadeiro apaixonado dos livros.
.
Memórias que ligam as coisas ao afecto, por isso e quem sabe se também por ser mulher, mais dada às coisas do coração que às da razão, estes desaparecimentos deixam marcas.
.
Um abraço e até à próxima

sábado, 28 de abril de 2012

Poema - A. M. Pires Cabral

.
O QUE DIZ O RATO
.
Tenho um destino. Nasci
para ver o silêncio - e vou roê-lo
metodicamente.
.
até que um dia se invertam os papéis
e seja o silêncio a roer-me a mim.

quinta-feira, 26 de abril de 2012

domingo, 22 de abril de 2012

Aconteceu...há quem goste de surpresas

.
Que esquisito! Abrir o espaço deste blog para começar a escrever o texto de hoje e tudo estar diferente. Sem aviso, sem nada, uma mudança de forma do espaço para a escrita, mais largo e mais curto, numa pagina quase branca e vazia, sem os limites carregados como antes, de tal forma diferente que quase pensei ter-me enganado.
.
O impacto perante o inesperado varia muito de pessoa para pessoa. De um extremo poderemos ter os autistas, que necessitam da manutenção do exterior e das rotinas para se manterem calmos, até aqueles que nada os surpreende, fazendo do inesperado conhecido e banal.
.
Já me adaptei ao novo formato, já vi o espaço da escrita crescer quando as linhas escritas se aproximam do limite inferior da caixa e já só falta ver como o texto se encaixa no espaço da publicação. Ora vamos a isso.

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Poema - Ruy Belo

.
DAS COISAS QUE COMPETEM AOS POETAS
.
Nas terras onde os sinos andam pelas ruas
há horas surdas sós e sem cuidados
há mar condicionado ao possível verão
e vendem-se manhãs e mães por três ideias
Nas terras onde a música é o fogo de artifício
a camioneta curva a carga sob os plátanos
e à sombra dos lacrimejantes carros
o gato dorme a trepadeira sobe
o soba grita nunca ninguém sabe
a erva cresce  e as crianças morrem
O mar aceita chão a mão do sol
Que plural deplorável o da magna agência mogno
E nas tílias há riscos dos vestidos de retintas raparigas
e o dente resistente número quarenta cheira a pepsodent.

segunda-feira, 16 de abril de 2012

sábado, 14 de abril de 2012

Aconteceu...no posto de vígia

.
"A Horta é um camarote de frente para o Pico, palco de todo o ano" - Vitorino Nemésio
.
A varandinha, é pequena, mas tem uma mesa e duas cadeiras. É para lá que vou logo que acordo. É lá que me sento ao fim da tarde quando acabo o trabalho. 
.
É que ali, de minuto a minuto, a paisagem muda. E sempre bonita! O Pico, sempre o Pico, ora tapado ora com as núvens a lamberam-no doce ou rapidamente,  vai-se vestindo ou desnudando.
Estes dias, marotas, as núvens tapavam-no. Só ao 3º dia, logo que olhei ele se mostrava. Para alguns minutos mais tarde já estar mais tapado, e mais tarde já só ser visto lá de cima do avião.
.
Mas o movimento do porto também é foco de atenção e de grande distração. São barcos a entrarem e a saírem, às vezes quase só os que regularmente fazem a carreira para o Pico e para S. Jorge. Mas estes dias...O próprio porto, tal como o Pico variava, transformando a sua paisagem. Veleiros enormes, caravela de 3 mastros, iates de luxo a fazer pensar nuns Onassis qualquer, fragata da Armada, um enorme movimento permanente. E claro, os barquinhos pequenas das escolas de vela e remo lá da terra.
.
Presa no movimento e na paisagem, o tempo perde o sentido, as horas passam e eu, ali fico, como que hipnotizada mas vigil, de máquina sempre à mão, pronta a disparar.

quarta-feira, 11 de abril de 2012

domingo, 8 de abril de 2012

Poema - Alexandre O ´Neill

.
O ATRO ABISMO
.
Quando o poeta escreveu: "...o atro abismo!",
Umas vírgulas por ele mal dispostas,
Irritadas gritaram: "É estrabismo!".
.
Mas um ponto que viveu no dicionário,
De admiração caiu de costas
E abismado seguiu o seu destino...

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Aconteceu...cogumelos de Abril

.
Foto - Magda

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Aconteceu...que nem todas as brincadeiras são pacíficas

.
Hoje passou por aqui o coelho de Páscoa, e deixou ovos escondidos no jardim. Os jovens presentes só tinham de os encontrar. Foi uma aventura gira, havia ovos cozidos e pintados por fora, ovos de chocolate e mais algumas surpresas. Finda a busca foi feita a divisão e seguiu-se o momento alto, saborear tudo, sem restrições, seguido de outros jogos de bola. 
.
Muitos jovens hoje não sabem o que são estes jogos de família. Agarrados às suas máquinas electrónicas, portáteis ou fixas, jogam isolando-se e afastando-se destas coisas simples e saudáveis.
.
Uso frequentemente o Google para saber o que são os jogos que os miúdos me descrevem nas consultas. E fico aterrada! Muitos têm uma classificação de "Só para adulto", mas eles jogam-nos. E sem crítica como os paizinhos que os compram. Jogos dedicados a assassinatos em série, outros cuja função é fazer bandos de assassinos, de roubar, matar os polícias que os perseguem, e tantas outras coisas deste género. Fico depois a saber que lá em casa chega a haver guerra entre os filhos e o pai (mais frequentemente), mas também tios e avô! Todos querem jogar.
.
Conversado com os adultos, familiares das crianças a que me refiro, nem eles realizaram muito bem o que jogam. Não é real, é um jogo, explicava-me um que tinha levado o filho à consulta por perturbações do comportamento.
.
Esta perda de valores, respeito pela vida com ausência de culpabilidade, inquieta-me muito. Estaremos a fabricar o quê?