sábado, 31 de dezembro de 2011

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Aconteceu...na esteira do filme "O Miúdo da Bicicleta"

.
Poucos minutos depois de começar o filme lembrei-me dela. Que será feito daquela miúda, hoje adolescente crescida?
.
A mãe, toxicodependente e prostituta, tinha morrido de SIDA. O pai, imaturo e sem laços seguros com a filha, rejeitou-a colocando-a em casa dos avós. Tentaram os maternos e os paternos mas ela fugia sempre à procura dos pais.
.
Foi então colocada em várias instituições, e de todas fugia. De camionete ou de comboio, era sempre encontrada só, mas em sítios onde estivera com os pais, a quem, idealizando, tudo perdoava.
..
Ao contrário de Samantha, personagem do filme "O Miúdo da Bicicleta", que lutou por criar vínculo, dando amor e contenção, ela andou em vários centros de acolhimento, cortando quaisquer laços criados.
.
Acompanhei-a ao longo deste atribulado percurso, tentando ser uma âncora. Mas o caminho deixou de ter retorno e a entrada no perigo foi inevitável..
Absentismo escolar, integração em grupos de jovens da rua, esse foi o seu destino. Era encontrada em muito mau estado, levada de volta para a instituição, mas nesse mesmo dia conseguia fugir.
.
Terá sido essa a forma de "se encontrar" com a mãe?
.
O fim do filme permite imaginar um final feliz...será?.
O filme não nos dá a conhecer as motivações da Samantha, que o acolhe e mantém, mesmo que para isso tenha de se separar do seu namorado.
E já agora, quais as motivações dos Irmãos Dardenne, que têm vários filmes deste teor?

domingo, 25 de dezembro de 2011

Poema - Álvaro Feijó

.
NATAL

Nasceu.
Foi numa cama de folhelho
entre lençóis de estopa suja
num pardieiro velho.
Trinta horas depois a mãe pegou na enxada
e foi roçar nas bordas dos caminhos
manadas de ervas
para a ovelha triste.
E a criança ficou no pardieiro
só com o fumo negro das paredes
e o crepitar do fogo,
enroscada num cesto vindimeiro,
que não havia berço
naquela casa.
E ninguém conta a história do menino
que não teve
nem magos a adorá-lo,
nem vacas a aquecê-lo,
mas que há-de ter
muitos Reis da Judeia a persegui-lo;
que não terá coroas de espinhos
mas coroa de baionetas
postas até ao fundo
do seu corpo.
Ninguém há-de contar a história do menino.
Ninguém lhe vai chamar o Salvador do Mundo.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Poema - José Alberto Oliveira

.
A INOCÊNCIA tem um preço.
A maioria recusa pagá-lo.
Lá em cima, cortejando o sol, o milhafre vigia.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Poema - Aníbal Raposo

.
AUSÊNCIA
.
É estranho...
Quando deixas a ilha
Sinto os meus dias prenhes
Do imenso vazio da tua ausência

Resta o teu cheiro...
No quarto, na almofada da cama
Em cada canto da casa...

Confesso que nunca o sinto assim tão à flor da pele
No compasso
voraz do nosso dia-a-dia

Só então me apercebo
Como a usura do tempo
Traça, sem darmos conta, superfícies planas
Esbate, sem piedade, as vivas arestas
Da cor dos nossos sentimentos

Amo-te em fogo juvenil quando estás longe

Habituo-me a ti
Se estás por perto.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Aconteceu...dolorosa descida à terra

.
Conheço-a há muito tempo. Anda quase sempre bem disposta, ri, fala, é frequentemente o centro da festa. A alegria e a vivacidade, com um humor mais para o eufórico, tudo são facilidades, dona de tudo, cheia de entusiasmo, numa roda viva que ocupam o tempo quase todo. Tanto, tanto, que quase cansa de estar com ela. Com uma pequena curiosidade, ela...nunca se cansa.
.
Um dia parece que aterrou no chão, pés assentes na terra e a cabeça só pensava...que não tinha tantas razões para andar tão satisfeita, que a vida é difícil e o futuro preocupante, que há situações que nem sempre se dominam. As cores brilhantes que povoavam a sua cabeça mudaram, tudo era a preto e branco.
Ficou cabisbaixa, triste, sempre cansada. 
Adormecida entrava logo nuns sonhos tristes, em que não se vislumbrava uma saída para a história interna por ela inventada a dormir. Até os sonhos contribuíam para aumentar o desânimo.
Começou a isolar-se. Foi preciso pedir ajuda médica e psicológica.
.
Eventualmente ambos os estados pertencem à mesma moeda. Mas quem não gosta mais da euforia que da tristeza?

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Poema - Nuno Júdice

.
RECEITA PARA FAZER O AZUL
.
Se quiseres fazer azul,
pega num pedaço de céu e mete-o numa panela grande,
que possas levar ao lume do horizonte;
depois mexe o azul com um resto de vermelho
da madrugada, até que ele se desfaça;
despeja tudo num bacio bem limpo,
para que nada reste das impurezas da tarde.
Por fim, peneira um resto de ouro da areia
do meio-dia, até que a cor pegue ao fundo de metal.
Se quiseres, para que as cores se não desprendam
com o tempo, deita no líquido um caroço de pêssego queimado.
Vê-lo-ás desfazer-se, sem deixar sinais de que alguma vez
ali o puseste; e nem o negro da cinza deixará um resto de ocre
na superfície dourada. Podes, então, levantar a cor
até à altura dos olhos, e compará-la com o azul autêntico.
Ambas as cores te parecerão semelhantes, sem que
possas distinguir entre uma e outra.
Assim o fiz – eu, Abraão ben Judá Ibn Haim,
iluminador de Loulé – e deixei a receita a quem quiser,
algum dia, imitar o céu.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Aconteceu...no dia em que Gonçalo Ribeiro Telles foi homenageado

.
Lisboa, 2ª circular, o dia a despedir-se e a cruzar-se com a noite que desce.
.
Velocidade do carro 30 km/h. Mais uns metros e o carro começa a andar mais devagar, e ainda mais até que pára juntando-se à fila da qual se já não vê o fim.
É assim todos os dias e quase a todas as horas.
Podia ser uma maçada estar ali parada. De manhã, atarefada e com horas a cumprir é aborrecido. Mas agora...
.
Estou virada para Monsanto. Ao longe , os edifícios das Torres de Lisboa e de Benfica ficam uns paralelepípedos negros. Ao fundo um céu a escurecer, e umas nuvens discretas como se fossem manchas de aguarela.
As luzes dos faróis traseiros, vermelhas, enchem as várias faixas de automóveis, criando riscos intermitentes. Do outro lado são as brancas dos faróis dianteiros.
Gosto de olhar as manchas que se vêem da cidade, as algumas poucas luzes já acesas nalguns prédios, gosto de olhar e fantasiar, imaginar histórias que se estarão a passar ou melhor poderiam estar a passar-se ou que até nunca poderão existir. Não dou pelo tempo.
.
E sem me dar conta, envolta nos meus pensamentos-sonhos chego a casa.

E então pensei no Duarte e em tantos outros entusiastas da ecologia, do transporte em bicicleta, a pé, de comboio. Aquele meu tempo de sonho é poluente. Desculpo-me com o facto do percurso ser curto. 3 km de isolamento egoísta.

domingo, 4 de dezembro de 2011

sábado, 3 de dezembro de 2011

Poema - Álvaro de Campos

.
"Já somos sisudos, tristes, e pobres. Como ficaremos?". Assim acabava o texto do feriado finado. Agora já sei na pele uma das respostas possíveis.
. 
TENHO UMA GRANDE CONSTIPAÇÃO
.
Tenho uma grande constipação,
E toda a gente sabe como as grandes constipações
Alteram todo o sistema do universo,
Zangam-nos contra a vida,
E fazem
espirrar até à metafísica.
Tenho o dia perdido cheio de me assoar.
Dói-me a cabeça indistintamente.
Triste condição para um poeta menor!
Hoje sou verdadeiramente um poeta menor.
O que fui outrora foi um desejo; partiu-se.
Adeus para sempre, rainha das fadas!
As tuas asas eram de sol, e eu cá vou andando.
Não estarei bem se não me deitar na cama.
Nunca estive bem senão deitando-me no universo.

Excusez un peu... Que grande constipação física!
Preciso de verdade e da aspirina.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Aconteceu...Paz à sua alma!

.
Aproveito hoje o último feriado a 1 de Dezembro. O governo português assim o decretou.
.
Nos próximos dois anos não se irá notar a ausência de feriados, pois quer em 2012 como em 2013, o 1º de Dezembro cairá ao fim de semana.

Claro que há sempre o risco de nos tirarem o fim de semana, ou um dos seus dias.

Um disparate se julgam que estas horas são preciosas para o trabalho/rendimento! (deixo de lado a importância de homenagear certos acontecimentos/datas)

Mas, o mais importante para mim, é o incentivo de trabalhar e depois poder descansar, desintoxicar, libertar e tentar lutar contra a depressão que nos invade dia a dia.

Dizem que há muitos feriados, o que não é verdade comparado com outros países da Europa.
Já somos sisudos, tristes, e pobres. Como ficaremos?